terça-feira, novembro 14, 2006

ELOGIO À DEUSA
Image Hosted by ImageShack.us
O culto à Deusa é tão antigo como a história do homem. Evidências arqueológicas apontam que nas culturas ancestrais, a mulher desempenhava papel fundamental nas praticas religiosas, e estava ligada, principalmente, ao papel da fertilidade ou da “mãe”, ou ainda, de elo com a natureza.

A imagem de uma Deusa de quadris largos e seios fartos venerada no Neolítico foi encontrada na Turquia, na mais antiga cidade conhecida (Çatal Huyuk) daquele período - cerca de 10 mil anos atrás - sugerindo que os homens pré-históricos antes de adorar deuses, adoravam deusas.

As antigas civilizações do oriente possuíam divindades femininas importantíssimas. Apenas para citar algumas:

Image Hosted by ImageShack.us
Néftis e Isis

Image Hosted by ImageShack.us
Kali, a transformação

Na Mesopotâmia, Astarte era a rainha do mundo. Os Babilônicos a denominavam Ishtar, ou seja, estrela, a luz do universo. Tiamat era a deusa que originou tudo no mundo, inclusive os deuses. Beltia reinava nos céus e era capaz de aliviar o sofrimento, dar a vida e o prazer.

No Egito, temos em primeiro lugar Isis, cujo amor incondicional conseguiu restituir a vida a Osíris após este ter sido esquartejado por seu irmão e arqui-inimigo, Seth. Hator, representada por uma mulher com chifres na cabeça portando o disco solar, era a deusa dos céus, do amor, da dança, da fertilidade. Bastet era a deusa gato, também encarnava o aspecto da fertilidade e protegia as grávidas. Por vezes confundida com Sekhmet, quando adquiria a ferocidade de uma leoa. Néftis era a deusa da justiça.

Na Índia, as divindades femininas eram manifestações da Deusa-Mãe e Shakti era sua principal personificação. Lashmi, a deusa da prosperidade, tanto material, como espiritual. Kali, a poderosa deusa da transformação, por vezes destrutiva, de expressão demoníaca. Saravasti, a deusa das artes.

O velho testamento trouxe o começo da derrocada para as deusas, quando já no Gênesis culpa Eva pela expulsão do Paraíso.

As antigas escrituras hebraicas dão conta da existência de uma mulher anterior à Eva, como companheira de Adão, no paraíso: Lilith (ao que parece banida da versão bíblica da Igreja) que inconformada com a desigualdade a que era submetida, revolta-se e pronuncia o nome secreto de Deus, acusa Adão e foge para o Mar Vermelho, onde passa a viver em promiscuidade com os demônios.

A mulher passou a ser relegada a um segundo plano na história da religião cristã. Desde o início da era cristã, com a adoção por parte da Igreja Católica, dos Livros do Novo Testamento, o papel da mulher foi sendo suprimido, principalmente deixando de lado e, sendo paulatinamente apagado dos registros "oficiais" o papel que Maria Madalena e Maria, mãe de Jesus tiveram no decorrer da vida do Nazareno.

Perturbador, no entanto, foi a perseguição sofrida pelas mulheres no decorrer da Idade Média. A inquisição da igreja católica foi implacável caçando mulheres que se destacavam certamente pela aguda inteligência e conhecimentos pagãos (considerados estes como todas aquelas crenças que conflitavam ou antes, não se coadunavam com os interesses religiosos da época), humilhando, desta forma, o orgulho do sexo feminino. A inexorável caça as “bruxas” fez com que se calasse a voz mágica da mulher.

Algumas mulheres, no decorrer da história tornaram-se inesquecíveis e imortalizaram seus nomes para as futuras gerações. Algumas foram escravizadas, torturadas, violadas e por terem sido martirizadas sempre sem qualquer motivação válida, passaram a ser veneradas, e até santificadas.

Image Hosted by ImageShack.us
A terrível inquisição de uma "bruxa"

Neste ponto, lembro uma passagem do interrogatório de Joana D’arc, quando esta responde de forma brilhante a uma pergunta maliciosa do Inquisidor, o teólogo Jean Beaupère:

- Sabeis se está na graça de Deus?

- Se não estou, que Deus me ponha nela; se estou que Deus nela me conserve...

Brilhante, não?!!!

Outras mulheres tornaram-se grandes rainhas, líderes, pensadoras, escritoras, pintoras, artistas. São muitas para se mencionar neste humilde elogio. Mas a grande parte delas, apesar de não ter se destacado na história, nem por isso fica para trás. Essas são as mulheres do dia a dia: honestas, batalhadoras, tenazes, fiéis, independentes, sempre na busca pela igualdade (infelizmente ainda existe este tipo de discriminação, principalmente no trabalho...), muitas vezes frágeis, porém dotadas de uma vontade mais férrea e ao mesmo tempo mais humana do que a do sexo oposto.

Sempre achei que se as mulheres tivessem o controle do poder, o mundo seria um lugar menos perigoso e mais solidário.

Image Hosted by ImageShack.us
Um ser sublime: o mais perfeito da criação

O fato é que a beleza de certas mulheres enfeitiça. Para algumas, basta um gesto, um olhar, um balanço dos cabelos... e pronto, nós, homens já caímos de joelhos. Outras enfeitiçam pela inteligência, pelos ideais, convicções. Outras, pela simpatia. O certo é que todas, todas têm atrativos, só pelo fato de serem mulheres: O ser mais sublime de todo o Universo... O ser que gera a vida dentro de si, sem dúvida nenhuma, é o mais importante e perfeito da Criação. A obra prima de Deus, ou melhor dizendo, da Deusa.

Bem, a essa altura, a leitora ou o leitor já deve estar se perguntando se perdeu alguma coisa e se hoje ou amanhã é o dia internacional da mulher. Não. Não é. Todos os dias são das mulheres... Elas merecem a incontestável saudação e elogio deste Defensor.

Este post é dedicado às mulheres de minha família que ainda vivem, bem como àquelas que já se encontram no Plano Superior: Ângela, Dalva, Maria que repousam entre as estrelas...

PS= Peço que me perdoem eventual imprecisão histórica. E só para constar o dia internacional da mulher é 8 de março.

11 comentários:

Blogildo disse...

Caramba! Deixou o Robert Langdon no chinelo! hehehehehe!

Só pra constar. De certo modo o culto a deusa sobrevive hoje no culto a Maria. No mundo inteiro, "Nossa Senhora" está presente nas mais diferentes versões. No mundo católico, por sinal, a influência dela é ainda maior que a da "Santíssima Trindade".

Mestre Splinter disse...

Muitissíssimo bem colocado, Lord Defender...Não acrescento uma vírgula, exceto porém...
''Em vida, chamaram-me de muitas coisas: irmã, amante, sacerdotisa, maga, rainha. O mundo das fadas afasta-se cada vez mais daquele em que cristo predomina. Nada tenho contra o Cristo, apenas contra os seus sacerdotes, que chama a Grande Deusa de demônio e negam o seu poder no mundo. Alegam que, no máximo, esse seu poder foi o de Satã. Ou vestem-na com o manto azul da Senhora de Nazaré – que realmente foi poderosa, ao seu modo –, que, dizem, foi sempre virgem. Mas o que pode uma virgem saber das mágoas e labutas da humanidade?'' Palavras de Morgana em ''As BrumAS de Avalon''...
Tem p'rá baixar lá no Ossos No Armário:
http://ossosnoarmario.blogspot.com/2006_11_01_ossosnoarmario_archive.html
À todas as Damas, então!

Ricardo Rayol disse...

Os antigos não eram bobos, o negocio era adorar mulher bunduda e peituda... rs... (irresistivel).. Mas concordo com você que o papel da mulher ser reduzido foi uma puta sacanagem... e se elas mandassem no mundo teriamos um mundo menos perigoso, pois estariamos as voltas com lavar pratos, roupas e limpar a casa ;-)

Anônimo disse...

Brilhante, sem mais nem menos, uma perfeita síntese da importãncia da mulher hoje e sempre. Às vezes, ao pensar nestes assuntos, que parece que quase ninguém quer se dar ao trabalho de pensar, chego a imaginar que, para consertar muitas coisas do passado, deveriamos esquecer abruptamente o nosso aspecto religioso. Mas como isto é utopia, prefiro pensar numa maneira de remediar...

Betty Branco Martins disse...

Olá Defensor

Vim conhecer a tua "casa" sei que não fui convidada:)) mas olha - andei por todos os "cantos" e adorei!

Voltarei se não te importares:))

Beijinhos com carinho
BoaSemana

Ruby Sackville-Baggins disse...

Bem, fantástico!

É sempre bom vermos homens com esta capacidade de louvar as mulheres.
Adorei o post, adorei a tua forma de escrever, e pelo meio ainda aprendi umas coisas bastante interessantes.

:)

Agradeço-te também o teu comentário, volta sempre que quiseres que eu tb cá voltarei.

Beijinho.

Alequites disse...

Ops!!
Tenha um grande feriado.
Abraços

hazzamanazz disse...

Nada mais a acrescentar, muito bom o texto.

O que a Igreja Católica fez com as mulheres, aliado ao patriarcado do homem, foi sacanagem braba.
E não é aquela gostosa... :P

Mas quando dizem que se o mundo fosse dirigido pelas mulheres ele seria melhor, tenho cá minhas dúvidas (sem machismo por favor).
Marta Suplicy e Winnie Mandela que o digam, hein?

[ ]'s

Anônimo disse...

Olá
passei por aqui e adorei mas n sei se estou á altura de ser uma "mulher inteligente" como dizes preferir...
não sei se serei banida sem direito a defesa pela tua inteligente e fantástica mente revelada pela tua escrita.
tb gosto mto mesmo mto dos teus gostos musicais ...
voltarei ... atravessarei o oceano atlantico e encontrar-me-ei de novo ai para beber e aprender do que dizes.
assim tu mo permitas.
Um sorriso luminoso
Lana

tina oiticica disse...

Seu post é muitíssimo mais elegante que o meu e super-interessante. A parte egípcia aprendi na escola mas nunca realmente estudei a história doa indianos.

Pena que hoje em dia as mulheres de carnes fartas são tripudiadas. Oh well.

Meus parabéns.

julio disse...

verdade e qe a mulher foi muimto inportante na obra da criasao un ser estraordinario o homen e a mulher posuen qualidades distintas por iço deus na sua infinita inteligencia fez os 2 para se conpletaren nunca jamais un sera melhor qe o outro e esse o o pomto de equilibrio que se unidas produzem uma verdadeira maquina da sabedoria